O PSOL surge como uma crítica ao PT

Em entrevista para “O Esquerda Diário”, Plínio de Arruda Sampaio Jr. comentou a conjuntura, a crise do PT, a localização do PSOL e as eleições de 2018.

Para ele, “O PSOL surge como uma crítica ao PT. Então, para que o PSOL se realize como projeto histórico, é importante que essa crise vá até o fim. É uma crítica programática e é um crítica prática. A crítica programática é: o capitalismo brasileiro não abre espaço para reformas, nem para reformas pequenas, e, portanto, é importante colocar na ordem do dia as mudanças estruturais e a perspectiva do socialismo. Do ponto de vista prático, nós temos que tirar as consequências desse projeto. Ou seja, superar o PT é construir uma força real da classe, uma força capaz de fazer mudanças estruturais. E isso vou resumir da seguinte maneira: construir um partido das ruas. É construir um partido das lutas radicais. Então, esse é o desafio do PSOL. Nós estamos agora num momento importante da vida partidária, numa encruzilhada decisiva. Porque, ou o PSOL se contenta em ser uma legenda do status quo, com deputados corretos e trabalhadores, mas que funciona na prática como uma espécie de fiscais rigorosos da ordem, mas que não disputam o Estado, não disputam a classe, ou o PSOL vai ter a ousadia de disputar o Estado, disputar a classe, e ter um projeto socialista para enfrentar a crise brasileira”.

Confira a íntegra da entrevista: